Bem-vindo(a) ao nosso BLOG, onde você conhecerá um pouco do ARTISTA e da sua OBRA, navegando nos DEPOIMENTOS sobre a minha trajetória durante esses 40 anos de ATIVIDADE ARTÍSTICA E EXPOSIÇÕES e também em REPORTAGENS na mídia. Acompanhará o que estou fazendo agora: PARAHYBAVISTA e JOÃO & MARIA, poderá acessar meu ATELIER e nossa GALERIA VIRTUAL, me acompanhará no TWITTER, e visitará a MINHA CIDADE...

Respire fundo e vá mergulhando (clique em F11 e veja em tela cheia, é melhor)... Siga o blog e dê uma espiadinha nas novidades que publico. Sem pressa...

Ouça a pianista Juliana Steinbach enquanto navega ♫ ♫ ♪ ♫ ...

BOA VIAGEM!

Postagem em destaque

A ARTE PRIMEVA DA HUMANIDADE: XAMÃ - PINTURA E FÉ NA CAVERNA!

  O que faço, porque faço, como faço e onde faço. O xamanismo dos caçadores pré-históricos baseava-se na crença de que vis...

terça-feira, 30 de abril de 2013

A SAÚDE DO BEIJA-FLOR: CUIDADO COM A GARAPA!

Saiba o por quê de dar água com açúcar para beija-flor pode ser letal. 
Leia e compartilhe, para salvar os Beija-Flores.



A garapa
É comum quando moramos em apartamentos e gostamos de pássaros, especialmente beija-flores, colocarmos água com açúcar nos bebedouros. Entretanto saibam que isso pode matar o bichinho.

Deixem-me explicar melhor: O açúcar em contato com a água forma um fungo que traz doença, semelhante ao câncer, no biquinho do beija- flor.
A garapa é composta de 1 parte de açúcar triturado ou granulado para 4 partes d'água (água mineral ou potável -jamais da rede pública, que possui aditivos prejudiciais ao pássaro). A mistura tem que ser trocada diariamente (2 vezes) e o bebedouro deve ser muito bem limpo todas as noites, para não matar o beija-flor (retire o bebedouro sujo, lave-o em água corrente, escove onde a sujeira estiver depositada, e, em seguida, coloque de molho, por 20 minutos, em água misturada com um pouco de água sanitária, como faz com as verduras. Depois disso, enxágue bem e deixe secar até o dia seguinte, quando o recipiente estará pronto para ser reutilizado). Também é importante mantê-los longe de insetos como formigas, vespas, baratas, etc. Tais insetos, além de competir pelo alimento com os pássaros, carregam parasitas, especialmente fungos que infectam os bebedouros. Um sinal visível, da infestação por fungos, é o pronto escurecimento do bocal e até pétalas das flores artificiais, logo após a visita dos insetos. Sendo assim é recomendável utilizar modelos de bebedouros que tenham algum dispositivo limitador de formigas, etc., e ao se notar o escurecimento das flores de plásticos, estas devem imediatamente ser esterilizadas com algum composto clorado (destinado a purificar alimentos como verduras, e jamais usar produtos comuns de limpeza) e bem enxaguadas antes de serem reutilizadas. Uma prática condenável é completar o nível dos bebedouros com mais calda. A presença eventual de algum pássaro doente pode contaminar outros beija-flores, através do próprio bebedouro. Dessa maneira,particularmente quando o nível do líquido está próximo do fim, aumenta a concentração de possíveis elementos patogênicos. Ademais, ocorre que no preparado, bactérias rapidamente fermentam o açúcar dissolvido, produzindo-se substâncias nocivas às aves. Em avançado processo de fermentação, é perceptível um característico odor de azedo e, em alguns casos, até um leve aroma alcoólico.
Para reduzir todos esses riscos, o procedimento correto é diariamente trocar completamente a água adocicada e higienizar os bebedouros.

Aproveitando a grande necessidade que os beija-flores têm de um alimento energético de rápida utilização, como o néctar, que contém carboidratos em concentração variável em torno de quinze a 25 por cento, é possível atraí-los para fontes artificiais de soluções açucaradas, os chamados "bebedouros" para beija-flores. Trata-se de recipientes com corolas artificiais onde é colocada uma solução açucarada cuja concentração recomendada é de vinte por cento. Uma crença, que tudo indica foi iniciada a partir de uma publicação de autoria do naturalista Augusto Ruschi, diz que o uso desses bebedouros pode ocasionar doenças nessas aves, podendo até matá-las. Porém não há, na literatura ornitológica, nenhum trabalho científico comprovando isto. Essa crença tornou-se extremamente difundida na população. A doença à qual Ruschi se referiu seria a candidíase, infecção oportunista causada pelo fungo Candida albicans, que acometeria a boca dos beija-flores. É possível que esse autor tenha de fato observado essa doença em seus beija-flores, mantidos em viveiros, pelo fato de se encontrarem imunodeprimidos pelas próprias condições do cativeiro. Sendo assim, é aconselhável quando se utiliza de tal artifício para atração de beija-flores, por exemplo em jardins ou sacadas, proceder-se aliado à limpeza diária dos bebedouros e à troca da solução açucarada; preparado de preferência com açúcar comum, evitando-se a utilização de mel, açúcar mascavo, e demais preparados caseiros, pois estes possuem uma maior tendência à fermentação. Além disso é contra-indicado o uso da água encanada de rede pública, pois esta usualmente é tratada com compostos de cloro ou flúor em dosagens insignificantes para os humanos mas que nos organismos de aves de pequeno e médio porte caracterizam-se como substâncias acumulativas que prejudicam a saúde destes.

Havendo a disponibilidade do alimento artificial, normalmente os beija-flores o procuram complementando, com louvor, seu provimento energético. Esse alimento fornecido auxilia os beija-flores, porém alguns cuidados são necessários.
Em áreas com desequilíbrio da vegetação natural ou mesmo em certos períodos do ano, quando há maior escassez de alimento, os beija-flores tendem a se especializar nos bebedouros. A hipótese é que essa fase de especialização pode provocar um desequilíbrio no organismo do animal, debilitando o seu sistema imunológico. Foi observado, principalmente nestes períodos de escassez, um aumento de doenças nestes pássaros, especialmente aquelas provocadas por fungos. Isso provavelmente pode ter origem na carência de alguns nutrientes que normalmente seriam encontrados em fontes naturais de alimento, como o néctar e artrópodes. Estudos demonstraram que com uma pequena adição de sal na dieta líquida houve um aumento na resistência às doenças, tornando-se rara a presença de pássaros enfermos. Desta forma, além da troca diária da calda açucarada, é recomendável o acréscimo de uma pequena pitada de sal comum no preparado, porém evitando-se quantidades excessivas pois quantidades demasiadas de sal prejudicam o metabolismo dos animais.O problema é que a grande maioria das pessoas não sabe disso, então, por favor, divulguem a informação pois é muito triste sabermos que as pessoas que gostam de cuidar dos beija-flores podem acabar provocando suas mortes.
Se não tem tempo para tudo isso, então não dê nada para os bichinhos: compre um vídeo de pássaros e fique assistindo... 

O ideal é um lindo jardim com muitas flores, sem nada com garapas... 
Mas, se mora em apartamento, a alternativa é comprar o Néctar em pó que é vendido nos supermercados e "pet shoppings" e que já vêm adoçados sem adição de açúcar, garantindo, desta forma, a saúde do bichinho!

Leia o artigo abaixo e fique por dentro. Afinal, quem ama cuida!

Este é um dos bebedouros que uso na varanda da minha "caverna na colmeia humana".
Veja o vídeo com Mariazinha e Expedito:


A SAÚDE DO BEIJA-FLOR:
AÇUCAR SIM, MAS COM RIGOROSA HIGIENE!

por Célia Borges
http://minhaaldeiaglobal.blogspot.com.br/2010/05/saude-do-beija-flor-acucar-sim-mas-com.html

"Há alguns meses escrevi sobre A Saúde do Beija-Flor, alertada por uma notícia que circulou na internet, e sobre a qual também fiz algumas pesquisas na época. O texto contra-indicava o uso de açúcar nos bebedouros para beija-flores, em conseqüência do aparecimento de fungos, que se instalam na garganta da ave e podem causar a morte por sufocação. Até o uso de mel, misturado á água em lugar do açúcar, não era recomendado.
A matéria passou despercebida no blog, mas ao ser publicada novamente, na edição de abril do jornal Agora, diante do interesse da minha amiga editora e ambientalista Emmy Louise, ganhou mais visibilidade, e recebeu comentários que me trouxeram de volta ao assunto. Um desses amáveis leitores que escreveu, Franklin Guanabarino, comentou que usava a mistura de água com açúcar há muitos anos, e que nunca observou problemas com os beija-flores que freqüentam o delicioso jardim do restaurante Vernissage, e inclusive seus bebedouros.
Apesar de ser encantada por beija-flores, tive bebedouros na varanda por muito pouco tempo, e há pelo menos duas décadas, então não pude contar com a experiência pessoal. Mas os argumentos do Franklin, e de outros leitores, me incentivaram a reconsiderar a questão e voltar às pesquisas. E pesquisar sobre beija-flores, estejam certos, é uma delícia.
Assim, preciso reconhecer que os defensores do açúcar tem lá suas razões. Há artigos na internet “plantados” por interesses comerciais, e esse pode ter sido um deles, já que há produtos industrializados no mercado, e precisando ampliar seu público. Esses produtos industrializados oferecem garantias técnicas, e são recomendados. Mas são mais caros do que a simples água com açúcar, ou mesmo do mel, que se for de boa procedência, também não oferece riscos adicionais.
Mas é preciso estar atentos, porque não se pode oferecer a água com açúcar nos bebedouros de qualquer maneira. Essa mistura realmente provoca o aparecimento dos fungos nocivos, e para evitá-los é preciso troca-la diariamente, depois de lavar cuidadosamente os bebedouros, para evitar o acúmulo de resíduos. A falta dessa higiene realmente pode fazer mal aos beija-flores, e se a limpeza diária não for possível, são indicadas outras soluções para atrai-los. Outro cuidado que deve ser tomado é sobre a proporção dessa mistura, que deve ter quatro partes de água para uma de açúcar. O excesso de açúcar não faz mal, mas contribui para atrair concorrentes, como as abelhas e formigas.

LIMPEZA DOS BEBEDOUROS
O ideal é ter dois bebedouros para cada ponto de alimentação, de forma a que um esteja em limpeza enquanto o outro é usado, revezando-os no local. Retire o bebedouro sujo, lave-o em água corrente, escove onde a sujeira estiver depositada, e em seguida coloque de molho, por 20 minutos, em água misturada com um pouco de água sanitária. Depois disso, enxágüe e deixe secar até o dia seguinte, quando o recipiente estará pronto para ser reutilizado.

PARA EVITAR FORMIGAS E ABELHAS
No caso das formigas, basta colocar vaselina no gancho ou arame onde o bebedouro fica pendurado, para que elas não consigam passar para o recipiente. As abelhas podem ser desestimuladas com a redução da concentração de açúcar na mistura, mas se isso não der resultado, há uma fórmula natural que agem como inseticida para elas: ¼ de dente de alho, uma colher de sopa de vinagre e outra de azeite. Amasse bem o dente de alho e vá juntando os dois líquidos até formar uma pasta. Encha o bebedouro com a mistura de água com açúcar, e antes de pendura-lo, pincele essa mistura nas partes onde as abelhas pousam, nas flores de plástico e em torno dos furos. É preciso ter cuidado para não misturar esse repelente com a solução de açúcar. O que sobrar pode ser guardado na geladeira para uso posterior, quando precisará apenas ser bem mexido, para ficar homogêneo.

A IMPORTANCIA DAS FLORES
Apesar de atrair para mais perto dos nossos olhos as delicadas acrobacias dos beija-flores, os bebedouros não substituem as necessidades nutricionais dessas pequenas aves, já que o néctar das flores tem outros nutrientes além do açúcar, e porque os beija-flores se alimentam também de pequenos insetos e artrópodes que vivem nas plantas, de onde obtêm proteínas.
É interessante observar que os bebedouros costumam ser visitados por outras aves que se alimentam de néctar, e que há espécies, como o beija-flor tesourão, que toma conta do bebedouro, afastando os demais. Assim, é interessante ter mais de um ponto de alimentação, para permitir a aproximação de mais variedades de beija-flores e outros pássaros. "
(Célia Borges)



Mariazinha e Severino.
Bebedouro ideal para beija-flores, sem suporte para as garras, o que dificulta para a "concorrência" das outras aves, que vão para outro bebedouro com suporte...


Nenhum comentário:

Postar um comentário

ENTRE EM CONTATO CONOSCO AQUI,
DÊ A SUA OPINIÃO...

Arquivo do blog

CATÁLOGO

CATÁLOGO DAS OBRAS

OS RETRATOS

OS RETRATOS

EXPOSIÇÕES E MÍDIA

ARTISTAS BRASILEIROS 2006

JOÃO E MARIA

NO ATELIER DO ARTISTA (AGOSTO DE 2007)

NA CAVERNA (MAIO DE 2009)

NA CAVERNA (MAIO DE 2009)
Paraíba, Brasil, maio de 2009.

Ateliê de Pintura Bruno Steinbach

Seguidores

Google+ Followers

SIGA-ME POR Email

AGRADEÇO A SUA VISITA... VOLTE SEMPRE!